O papel do Bitcoin na história: passado, presente e futuro (segunda parte)

Chainalysis, uma startup de Blockchain baseada em Nova York, em seu relatório "A grande queda do Bitcoin: as causas e o que nos espera no futuro" analisou causas da queda de preço do Bitcoin em mais de três vezes – de US$20 mil para US$6 mil.

Publicado em 26 de Maio de 2018 por

Em 2017, o Bitcoin e outras criptomoedas invadiram a vida da maioria da população mundial. Os ativos digitais, que anteriormente eram o hobby de um grupo relativamente pequeno de entusiastas, se tornaram praticamente o principal tópico de discussões em todo o mundo.

No entanto, questões filosóficas relacionadas às criptomoedas são mais importantes do que nunca: enquanto alguns veem nelas apenas um meio de enriquecimento rápido, outros contemplam um instrumento financeiro capaz de produzir uma revolução econômica e libertar a humanidade da opressão de funcionários corruptos e banqueiros.

Continuamos o ciclo de materiais sobre a história da formação e transformação do dinheiro. Na primeira parte (link pt 1) de seu abrangente artigo, o famoso entusiasta de criptomoedas e libertário Vijay Boyapati analisou a história e a origem do dinheiro, destacando suas principais características.

A segunda parte é quase inteiramente dedicada ao Bitcoin e à sua rápida evolução. Afinal, a Primeira Moeda trilhou, em apenas alguns anos, aquele longo e complexo caminho que, para o ouro, levou vários séculos. O que o Bitcoin pode enfrentar amanhã e qual é o seu lugar entre os inúmeros produtos criptomonetários?

A evolução do dinheiro

A economia moderna está obcecada com a ideia do dinheiro como meio de troca. No século XX, os estados monopolizaram a emissão, diminuindo constantemente sua importância como meio de poupança e criando a falsa crença de que o dinheiro é principalmente um meio de circulação.

Muitos taxaram o Bitcoin como um dinheiro “errado”, pois seu preço era volátil demais para desempenhar o papel de um meio de circulação. Mas isso equivale colocar um carrinho na frente de um cavalo. O dinheiro sempre evoluiu em etapas: o papel de um meio de poupança sempre precedeu o papel de um meio de troca.

Usando a terminologia moderna, pode-se dizer que o dinheiro sempre evolui em quatro etapas:

  1. Colecionáveis

No primeiro estágio de sua evolução, o dinheiro é requisitado apenas por suas propriedades específicas, geralmente se tornando um capricho de seu possuidor. Conchas, contas e ouro – todos eles eram colecionáveis antes de começarem a desempenhar o papel mais familiar do dinheiro.

  1. Armazenamento de valor

Quando eles começam a ser requisitados graças a suas propriedades por um certo número de pessoas, o dinheiro é reconhecido como um meio de preservar o valor. À medida que os objetos se tornam amplamente reconhecidos como meios de poupança, seu poder de compra aumenta. O último finalmente se alinha e se torna estável quando os objetos são amplamente distribuídos, e o influxo de novas pessoas, entre as quais eles estão em demanda, se esgota.

  1. Meio de circulação

Quando o dinheiro é completamente aceito pelas pessoas como um meio de poupança, seu poder de compra é estabilizado. Depois disso, os custos de oportunidade são reduzidos a um nível em que a moeda já é adequada para uso como meio de troca.

Nos estágios iniciais do Bitcoin, muitas pessoas subestimaram seu enorme valor alternativo como meio de circulação. Um exemplo é a conhecida história de um homem que pagou 10 mil BTC (cerca de US$80 milhões no momento da redação) por duas pizzas.

  1. Unidade de conta

Quando o dinheiro é amplamente utilizado como meio de troca, os bens são valorizados conforme seu custo. Em outras palavras, a taxa de câmbio com o dinheiro se torna disponível para a maioria das mercadorias. Ao mesmo tempo, há um equívoco comum de que os preços em Bitcoins hoje existem para muitas mercadorias.

Por exemplo, embora seja possível comprar uma xícara de café com Bitcoin, esse preço não é o preço real em BTC. Pelo contrário, é o preço preferido em dólar, expresso em Bitcoins à taxa atual de USD/BTC. Se o preço do Bitcoin tivesse diminuído em relação ao dólar, o número de moedas solicitadas pelos comerciantes aumentaria proporcionalmente. Somente quando os comerciantes começarem a aceitar BTC sem olhar para as taxas de câmbio com outras moedas, será possível afirmar que o Bitcoin se tornou uma unidade de conta.

***

Os produtos monetários que ainda não se tornaram uma unidade de conta podem ser considerados “parcialmente monetizados”. Hoje, o ouro preenche esse nicho, sendo um meio de poupança, mas privado pelo governo das propriedades de um meio de troca e da unidade de conta. Também uma situação é possível quando um bem desempenha o papel de meio de troca e o outro desempenha um papel diferente. Isso geralmente é verdade em países com condições econômicas disfuncionais, como a Argentina ou o Zimbábue.

Em seu livro “Ouro digital”, Nathaniel Popper escreve:

“Nos Estados Unidos, o dólar cumpre três funções de uma moeda sem encontrar obstáculos: um meio de troca, unidade de conta para mercadorias e bens, e um ativo em que o valor pode ser salvo. Na Argentina, por outro lado, enquanto o peso era usado como meio de troca de compras diárias, ninguém o utilizava para armazenar valor. Manter poupança em peso significava jogar dinheiro fora. Portanto, as pessoas trocavam todos os pesos que queriam preservar, por dólares, pois os últimos retinham melhor seu valor. Como a taxa de câmbio do peso era muito volátil, as pessoas geralmente memorizavam os preços em dólares”.

O Bitcoin está atualmente passando do primeiro estágio de monetização para o segundo. Muito provavelmente, levará vários anos até que o ativo passe de apenas um meio de economia para um meio genuíno de circulação, e o caminho para isso ainda promete riscos e incertezas. Vale ressaltar que, para o ouro, essa transição levou muitos séculos. Ninguém que é vivo hoje nunca viu em tempo real um processo de monetização de um bem, como está acontecendo agora com Bitcoin, por isso é muito difícil prever a futura direção que este processo tomará.

Dependência do caminho

No processo de monetização, o poder de compra de um produto monetário cresce inevitavelmente. Muitos notaram que o aumento do poder de compra do Bitcoin levou ao surgimento de uma “bolha”. Embora este termo seja frequentemente usado negligentemente para sugerir que o Bitcoin é altamente superestimado, é inadvertidamente verdadeiro.

Uma característica de todos os produtos monetários é que seu poder de compra é maior do que o que é justificável apenas pelo seu uso. De fato, muitos tipos históricos de dinheiro não tinham valor. A diferença entre o poder de compra de um produto monetário e o valor de troca que ele pode representar devido às suas propriedades úteis pode ser considerada uma “participação monetária”.

Quando os produtos financeiros passam por diferentes estágios de monetização (listados acima), a participação monetária aumenta. No entanto, ela não se move em uma linha reta e previsível. Um bom X que está no processo de monetização pode ser superado por outro Y, mais adequado como dinheiro, e a participação monetária de X pode diminuir ou desaparecer completamente. Por exemplo, a participação monetária da prata desapareceu quase completamente no final do século XIX, quando os governos em todo o mundo em grande parte abandonaram a prata como dinheiro, tendo dado preferência ao ouro.

Mesmo na ausência de fatores externos, como a intervenção do governo ou a concorrência de outros produtos monetários, a participação monetária do dinheiro novo não seguirá um caminho previsível.

Cada participante do mercado tenta antecipar a demanda agregada de outros participantes e, consequentemente, a futura participação monetária. Uma vez que ela não está vinculada a nenhuma utilidade integral, os participantes do mercado tendem a basear-se em preços passados para determinar se um produto monetário é barato ou caro e também para decidir se querem comprá-lo ou vendê-lo. A conexão da demanda atual com os preços passados é conhecida como “dependência do caminho” e, talvez, seja a maior fonte de confusão da compreensão do movimento de preços dos produtos monetários.

Quando o poder de compra de um produto monetário cresce junto com a disseminação do mesmo, as expectativas do mercado sobre o que é “barato” e “caro” mudam de modo correspondente. Da mesma forma, quando o preço de um produto monetário cai drasticamente, pode haver um consenso geral de que os preços anteriores eram “irracionais” ou excessivamente altos.

A verdade é que os conceitos de “barato” e “caro”, em essência, não fazem sentido no que diz respeito aos produtos monetários. Seu preço não é um reflexo do fluxo monetário ou de quão úteis eles são, e sim de uma medida da disseminação deles como dinheiro.

Uma dificuldade ainda maior da natureza do dinheiro dependente do caminho é que os participantes do mercado não apenas atuam como observadores imparciais, tentando comprar ou vender em antecipação a movimentos cambiais futuros, mas também atuam como evangelistas ativos. Como não existe participação monetária objetivamente correta, citar excelentes atributos dos produtos monetários é mais eficiente que fazer a mesma coisa em relação às commodities convencionais, cujo valor é basicamente vinculado ao fluxo de caixa ou à demanda.

O zelo religioso dos participantes do mercado criptomonetário pode ser observado em vários fóruns online, nos quais os proprietários promovem ativamente as vantagens das moedas e da riqueza que podem ser obtidas através de investimento.

Embora a comparação com a religião possa dar uma aura de fé irracional ao Bitcoin, é lógico que um detentor individual apóie seu bem e promova sua utilidade para a sociedade em geral. O dinheiro é a base de todo o comércio e poupança, portanto, aceitar uma forma mais alta de dinheiro é uma oportunidade de receber enormes benefícios por todos os membros da sociedade.

Forma de monetização

Apesar do fato de que não há regras gerais sobre qual caminho um produto monetário escolherá durante a monetização, uma situação curiosa surgiu durante a história relativamente curta do Bitcoin. O preço parece seguir um padrão fractal de magnitude crescente, onde cada nova iteração do fractal corresponde à forma clássica ciclo de hype de Gartner.

Cada um desses ciclos começa com uma onda de entusiasmo pela nova tecnologia – e o preço é alimentado pelos participantes do mercado que estão “disponíveis” nessa iteração. Os primeiros compradores dos ciclos tendem a estar firmemente convencidos da natureza transformadora da tecnologia em que investem. No final, o mercado atinge um pico de entusiasmo, à medida que o afluxo de novos participantes se esgota e a negociação começa a ser dominada por especuladores que estão mais interessados em lucros rápidos que na tecnologia em si.

Depois do pico do ciclo de “hype”, os preços caem rapidamente, e o fervor especulativo é substituído pelo desespero, ridículo público e pelo sentimento de que a tecnologia não era assim tão revolucionária. Eventualmente, o preço diminui e forma um patamar, onde os novos participantes, capazes de resistir à dor do acidente e avaliar a real importância da tecnologia, se juntam aos investidores antigos e convencidos.

O patamar persiste por um longo período de tempo e forma um “mínimo estável e chato”. Nesse período, o interesse público na tecnologia diminuirá, mas continuará a se desenvolver, e o número de “crentes” crescerá lentamente.

Em seguida, a base para a próxima iteração do ciclo de maturidade começa a ser preparada, já que os observadores externos admitem que a tecnologia não vai desaparecer e que os investimentos nela podem não ser tão arriscados quanto pareciam durante a fase do naufrágio. A próxima iteração do ciclo levará a um número muito maior de entusiastas e será muito maior em escopo.

Poucas pessoas envolvidas no ciclo podem prever corretamente os limites do aumento de preços. Normalmente, a taxa atinge níveis que parecem absurdos para a maioria dos investidores nos estágios iniciais. Quando o ciclo termina, a mídia geralmente associa isso a qualquer causa da queda que seja popular no momento. Embora a razão declarada (por exemplo, uma falha no trabalho de corretoras) possa contribuir para o processo, essa não é a principal razão para a conclusão do ciclo. O “hype” termina por conta do esgotamento dos participantes do mercado, disponíveis no ciclo.

Isso sugere que o ouro seguiu o modelo clássico de um “ciclo de hype” do final dos anos 1970 até o início dos anos 2000. Pode-se supor que o ciclo é uma dinâmica social integral do processo de monetização.

Desde o primeiro preço de negociação em 2010, o mercado do Bitcoin passou por quatro grandes ciclos de Gartner. Olhando para trás, é possível determinar com precisão as faixas de preço dos ciclos anteriores. Também pode-se identificar qualitativamente o grupo de investidores associados a cada iteração.

US$0 – 1 (2009 – Março de 2011): No primeiro ciclo de maturidade, o mercado de Bitcoins era dominado por criptógrafos, cientistas da computação e cripto-punks que já haviam começado a entender a importância da inovadora invenção de Satoshi Nakamoto e que acabaram por ser pioneiros em estabelecer que o protocolo do Bitcoin não possui falhas técnicas.

US$0 – 30 (2009 – Julho de 2011): O segundo ciclo atraiu tanto os primeiros adeptos de novas tecnologias quanto um fluxo constante de investidores ideologicamente motivados que estavam cegados pelo potencial do dinheiro sem “cidadania”. Libertários, como Roger Ver, foram atraidos pelo potencial do Bitcoin de combater as “estruturas de poder”, o que poderia se tornar possível se a tecnologia emergente fosse amplamente distribuida. Um brilhante empreendedor e com boas conexões, Ventses Casares, também fez parte do segundo ciclo de hype do Bitcoin e, como se sabe, promoveu o Bitcoin entre alguns dos mais famosos tecnólogos e investidores do Vale do Silício.

US$250 – 1,1 mil (Abril de 2013 a dezembro de 2013): Durante o terceiro ciclo, os primeiros investidores institucionais e de varejo chegaram ao mercado dispostos a assumir riscos e se aventurarem com canais de liquidez extremamente complexos e arriscados nos quais era possível comprar Bitcoins. A principal fonte de liquidez no mercado durante este período foi a corretora japonesa MtGox, dirigida por Mark Karpeles, conhecido por sua incompetência e fraude, que posteriormente recebeu uma pena de prisão por seu papel no colapso da plataforma.

Vale notar que o aumento do preço do Bitcoin durante os “ciclos de hype” acima mencionados se correlacionou, em grande parte, com o aumento da liquidez e a facilidade com que os investidores podiam comprar as moedas. No primeiro ciclo, não houve corretoras, e a compra de Bitcoins foi realizada principalmente através de mineração ou da troca direta com alguém que já havia extraído moedas.

O segundo ciclo abriu caminho para a troca, mas a obtenção e proteção de Bitcoins continuaram sendo tarefas muito difíceis para qualquer pessoa, exceto para os investidores mais experientes em termos de tecnologia. Mesmo no terceiro ciclo, ainda existiam significativos obstáculos para os investidores que transferiram dinheiro para a MtGox com objetivo de comprar Bitcoins. Os bancos estavam relutantes em lidar com a corretora, e os terceiros que contribuíam para as transferências eram muitas vezes incompetentes ou mal-intencionados. Além disso, muitos daqueles que conseguiram transferir dinheiro para a MtGox acabaram perdendo fundos quando a corretora foi invadida e, logo em seguida, fechada.

Somente após o colapso da corretora MtGox e um período de calmaria de dois anos, as fontes de liquidez mais maduras e profundas se desenvolveram no mercado de Bitcoins. Exemplos incluem corretoras regulamentadas, como GDAX, e corretores de balcão, como a Cumberland Mining. Quando o quarto ciclo do “hype” começou em 2016, os investidores de varejo já podiam comprar Bitcoins com relativa facilidade, bem como garantir sua segurança.

US$1,1 mil – 19,6 mil (2014 – ?): No momento em que este artigo foi escrito, o mercado de Bitcoin estava em seu quarto maior ciclo de maturidade. Michael Casey viu na situação atual “a maioria inicial” de investidores institucionais e de varejo.

Com o aprofundamento e desenvolvimento de fontes de liquidez, grandes investidores institucionais agora têm a oportunidade de se tornar participantes em mercados regulados de futuros. Sua disponibilidade abre o caminho para a criação de ETFs de Bitcoin, que serão populares entre a “maioria atrasada” e os que “chegarem tarde” nos subsequentes ciclos.

Embora seja impossível prever o tamanho exato do atual “ciclo de hype”, seria razoável supor que ele atingirá seu apogeu na faixa de US$20 mil a US$50 mil. Subindo acima dessa faixa, o Bitcoin será responsável por uma parte significativa da capitalização de mercado total do ouro (ouro e o Bitcoin terão uma capitalização aproximadamente igual se o preço do BTC atingir US$380 mil dólares). Uma significativa parte da capitalização de mercado do ouro é formada pela demanda dos bancos centrais, e é improvável que instituições financeiros ou estados participem do ciclo atual.

Continua…

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment