Plataforma TON se absterá de anonimato de transações de criptomoedas

O Telegram criou o primeiro serviço para a plataforma TON (Telegram Open Network) para armazenamento de dados pessoais, o denominado Telegram Passport. Clientes poderão fazer upload de documentos, dados do passaporte e detalhes para pagar com criptomoedas.

Publicado em 11 de Maio de 2018 por

O Telegram criou o primeiro serviço para a plataforma TON (Telegram Open Network) para armazenamento de dados pessoais, o denominado Telegram Passport. Clientes poderão fazer upload de documentos, dados do passaporte e detalhes para pagar com criptomoedas. Isto foi relatado por fontes do Vedomosti.

Segundo a publicação, as transações na plataforma não serão anônimas.

“Os documentos serão protegidos por autenticação de dois fatores e criptografados, inclusive para o Telegram, mas o cliente poderá ter acesso a documentos para verificação de confiabilidade dos dados”, disse a fonte.

No Telegram Passport, é possível incluir passaportes, carteira de motorista, contas de serviços públicos, contas bancárias e fotos. No entanto, a lista de dados obrigatórios ainda é desconhecida.

De acordo com a fonte, para proteção contra as proibições de reguladores e bancos, o Telegram recusará o anonimato em favor da parceria com grandes empresas, em particular, com o sistema de pagamento Qiwi.

Espera-se que o Telegram Passport possa ser lançado até o início do inverno.

Lembre-se de que, de acordo com a última versão do projeto TON, no trimestre de 2018, o messenger comprometeu-se a fornecer um serviço para autenticação externa de usuários, o chamado Telegram External Secure ID, que permitiria adquirir criptomoedas sem confirmação adicional de identidade.

No segundo trimestre de 2018, o Telegram prometeu lançar testes da versão mínima viável da plataforma de blocos TON.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment