A chamada chave de alarme – a chave privada de Satoshi Nakamoto para o sistema de sinalização da rede Bitcoin – foi divulgada pela primeira vez ao público nesta terça-feira, 3 de julho, durante a conferência Building on Bitcoin 2018, em Lisboa.

No momento da redação desse artigo o Preço do Bitcoin estava cotado em mais ou menos US$ 3.450 e ele tem permanecido estável pelos últimos sete dias. Bem, talvez esse não seja o preço que os investidores gostariam de ver praticado pela Primeira criptomoeda, mas com certeza já é um alivio ver que a volatilidade deu uma folga.

Infelizmente essa folga, aparentemente, não tende a durar muito, alguns analistas afirmam que um teste na resistência de US$3.000 está próximo, e a moeda pode ter sua cotação reajustado abaixo desse valor

Uma das pessoas que acredita nisso é David Thomas, diretor e co-fundador da corretora de criptomoedas Global Block. Em uma entrevista recente, Thomas afirmou:

Fevereiro começa e a semana passada foi bem aborrecida para os padrões aos quais nos acostumamos e, na maioria das vezes, cautela e negatividade ainda prevalecem. A última semana viu uma faixa de negociação leve para BTC entre US$ 3.400 e US$ 3.523. O sentimento geral, como mencionado acima, ainda parece ser de baixa e o nível de apoio de US$ 3.000 na semana passada continua em jogo, com apoio adicional de US$ 2.600. Se fôssemos ver um aperto maior, a resistência ainda seria de US$ 4.000 .

A preocupação de que o Bitcoin possa cair até o valor de US$ 2.000 provavelmente permanecerá sempre na cabeça dos entusiastas. Dado que o impulso além de US$ 4.000 nunca chega, a maioria dos traders provavelmente sempre vai demonstrar medo de que o Bitcoin caia ainda mais do que já caiu.

Desde dezembro o sentimento de pessimismo vem crescendo, com muitos investidores e analistas não conseguindo ver a luz no fim do túnel, panorama no qual também não se faz previsível o fim da queda do mercado como um todo.

Mas se tem uma coisa que se pode dizer em favor do Bitcoin é que ele muitas vezes segue contra as melhores previsões tanto para um lado quanto para outro. Nós nos acostumamos com isso, especialmente nos últimos dois anos, mas recentemente, mesmo sob as condições mais pessimistas, o bitcoin conseguiu se manter estável.

O Bitcoin não morreu, mas foi para o Paraguai!

Além disso, é preciso estar sempre disposto a olhar além da noção de preço para os desenvolvimentos que ocorrem no espaço do Bitcoin e, apesar da queda do preço, tais desenvolvimentos estão sempre presentes. Entre os mais notáveis ​​está o anúncio da Bitfury de que está abrindo operações de mineração de Bitcoin no Paraguai. Em parceria com o empreendimento sul-coreano Commons Foundation, a medida faz parte da nova iniciativa da Golden Goose da Bitfury para levar a criptomoeda a países de língua espanhola.

Sandra Otazu Vera – advogada no Paraguai e assessora da Fundação Commons – afirma:

O Paraguai está explorando formas criativas de usar tecnologias emergentes, como Blockchain e criptomoeda, para beneficiar sua economia e seus cidadãos, e essa parceria com aliados estratégicos como a Commons Foundation e a Bitfury fornecerá a infraestrutura que lhes permite avançar nesses esforços.

Entretanto, não de apenas Paraguai sobrevive o Bitcoin e a Bitfury. Anteriomente, noticiamos que o Bitfury Group estava desenvolvendo uma plataforma para o ramo musical na blockchain do Bitcoin.