Preço do Bitcoin dobra a cada 18 dias na Venezuela

O governo venezuelano está considerando a possibilidade de limitar o número de corretoras locais de criptomoedas. Isto foi indicado no manual publicado no âmbito do lançamento da criptomoeda nacional, o El Petro.

Publicado em 10 de agosto de 2018 por

O preço do bitcoin dobra a cada 3 semanas na Venezuela, e seus volumes de negociação continuam batendo recordes devido à hiperinflação do bolívar.

Há apenas um ano, era possível tomar um café na Venezuela por 2,3 mil bolívares, sendo que agora, de acordo com o índice Bloomberg Café Con Leche, são necessários cerca de 2 milhões de bolívares.

Além disso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a inflação chegará a um recorde de 1.000.000% até o final deste ano. Com a inflação atual, todos os preços são dobrados no país a cada 18 dias.

A maioria absoluta dos cidadãos vive abaixo da linha da pobreza, obrigada a gastar quantias astronômicas em fiat para atender aos requisitos mínimos de farinha, ovos e pão.

Anteriormente, por exemplo, tornou-se conhecido que a hiperinflação na Venezuela leva a um rápido aumento na negociação do Bitcoin: desde junho, volumes semanais mais do que dobraram e chegaram a 17 trilhões de bolívares.

Preço do Bitcoin dobra a cada 18 dias na Venezuela. BTCSoul.com

De acordo com o exchangerate.guru, um Bitcoin agora custa quase 1 milhão de bolívares. A taxa de câmbio real, no entanto – dado que o Banco Central tornou-se uma fonte de informações não confiável –, não é conhecida.

Os venezuelanos demonstraram repetidamente volumes recordes de compra de Bitcoins, tentando salvar suas economias: os cidadãos preferem o Bitcoin à moeda nacional ou à criptomoeda nacional, El Petro.

Neste contexto, recentemente, o governo venezuelano começou a monitorar as contas bancárias dos cidadãos para identificar transações em criptomoedas. Os correntistas que realizarem transações relacionadas a criptomoedas, que, como considera o governo, “minam a base da moeda nacional”, serão “severamente punidos”.

A pressão do governo não é o único problema para os venezuelanos que lutam contra a hiperinflação: usuários venezuelanos da Coinbase no país reclamam que não podem retirar ou transferir suas criptomoedas, uma vez que a corretora deixou de atendê-los por conta da censura política.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment