Representantes de indústria criptomonetária e legisladores dos EUA discutem regulamentação de moedas digitais

As maiores empresas de seguro médico dos Estados Unidos, UnitedHealth Group e Humana, anunciaram o lançamento de um projeto piloto de Blockchain projetado para melhorar a qualidade do armazenamento e da transferência de dados.

Publicado em 28 de setembro de 2018 por

Representantes de mais de 45 empresas de Wall Street e projetos criptomonetários participaram de uma mesa-redonda no Congresso dos EUA em Washington, na terça-feira, dia 25 de setembro, dedicada à discussão da regulamentação das moedas digitais e ICOs. Isso foi relatado pela CoinTelegraph.

O objetivo da reunião foi criar um registro de problemas com relação à definição de tokens de ICO, bem como à formação de um marco regulatório para a indústria criptomonetária. Os participantes da mesa-redonda propuseram princípios de conformidade com os requisitos regulatórios e proteção ao consumidor que poderiam determinar a abordagem básica da regulamentação.

Marvin Ammori, consultor geral da startup Protocol Labs, enfatizou que existe uma “cascata de incertezas” associada à classificação atual dos tokens. Como exemplo, ele citou problemas do armazenamento descentralizado de arquivos Filecoin, desenvolvido pela Protocol Labs. Na época do lançamento do projeto, a equipe de desenvolvimento estava confiante de que seus tokens receberiam o status de valores mobiliários de acordo com uma decisão da SEC, mas, na prática, isso não aconteceu.

Ryan Singer, presidente da Chia Network, se juntou a discussão, apontando para a incerteza sobre o status do Ethereum. Ele lembrou a decisão da SEC, segundo a qual a segunda criptomoeda em termos da capitalização não pode ser regulamentada como um valor mobiliário. Singer também enfatizou que a indústria sente falta de limites claros, que permitem determinar um suficiente nível de descentralização e funcionalidade dos projetos.

Hilary Kivitz, diretora de operações da Andreessen Horowitz, sugeriu que os tokens de ICO poderiam ser considerados valores mobiliários. Ela também propôs a definição de tokens comuns, observando que os incentivos materiais associados a eles devem ser coordenados com os interesses de todos os participantes do projeto.

“Os tokens são ativos que criam uma rede comum de incentivos, onde cada participante recebe valor como resultado do seu crescimento”, disse Kivitz.

Outros participantes da reunião chamaram atenção para a discrepância entre as vagas normas de regulação e o estado real das coisas na indústria criptomonetária. Assim, o CEO da startup de Blockchain Harbor, Joshua Stein, observou que a regulamentação dos valores mobiliários não funciona com relação aos tokens utilitários de aplicativos descentralizados e à indústria de ICO em geral.

Keith Prochaska, representante da Câmara de Comércio dos EUA, afirmou a necessidade de coordenação de regulamentação, criação de um canal de interação com órgãos reguladores e definição clara para todos os conceitos no ambiente criptomonetário.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment