Em 2018, a China pretende padronizar medidas para regular o mercado criptográfico do país. Isto foi relatado por representantes da Associação Nacional da China para Atividades Financeiras na Internet (NIFA).

Um comerciante chinês que perdeu 400 mil yuan negociando Bitcoin processou uma série de corretoras de criptomoedas, incluindo a Huobi, com uma demanda pela devolução de seus fundos na íntegra. O Tribunal Distrital de Pequim, no entanto, culpou a perda de dinheiro ao próprio usuário, afirmando que todos os comerciantes de Bitcoin devem estar cientes dos riscos. Isso foi relatado no Twitter pelo cnLedger.

O infeliz comerciante afirmou que o conceito de marxismo exclui completamente a existência do Bitcoin. Consequentemente, não tem valor, e todas as operações com ele devem ser canceladas. No entanto, o tribunal não considerou convincentes os argumentos da parte demandante sobre a atividade ilegal das corretoras.

“Não há leis que proíbam investir ou negociar em Bitcoin. Todo cidadão tem o direito de trocar livremente esse bem por sua conta e risco”, disse o tribunal.

Anteriormente, tornou-se conhecido que as empresas chinesas de mineração começaram a transferir seus maquinários a outros países sob a pressão das autoridades.