Varejista Bic Camera: cada vez mais compradores no Japão preferem pagar em Bitcoin

A Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA) emitiu uma ordem de suspensão da operação de duas corretoras de criptomoedas – FSHO e Bit Station.

Publicado em 13 de junho de 2018 por

No ano passado, quando o varejista japonês Bic Camera passou a aceitar criptomoedas, os pagamentos em Bitcoins representavam menos de 1% de todas as compras, contudo, atualmente, esse número está em crescimento. Isto foi relatado pelo portal Вitcoin.com.

O uso do Bitcoin está gradualmente se tornando popular depois que o governo japonês, em abril de 2017, reconheceu as criptomoedas como um meio legal de pagamento. Note que foi na mesma época que a Bic Camera começou a aceitar pagamentos em Bitcoin.

De acordo com Masanari Matsumoto, diretor de Relações Públicas e de RI da Bic Camera, a maioria dos compradores que pagam em Bitcoins são jovens com menos de 30 anos.

“Quando a Bic Camera lançou vendas em Bitcoins, esperávamos que os clientes fossem principalmente estrangeiros. Mas não foi o caso. Percebemos que o Bitcoin está se tornando muito popular. Então, o governo anunciou que o Bitcoin era oficialmente legal, por isso nos sentimos mais à vontade, introduzindo-o como meio de pagamento em nossas lojas”, explicou Matsumoto.

Matsumoto também afirmou que a Primeira Moeda é usada principalmente para comprar tabletes, câmeras digitais, gadgets e bebidas alcoólicas.

Em abril de 2017, quando a Bic Camera começou a aceitar BTC em suas duas maiores lojas do centro de Tóquio, houve um aumento na demanda, sendo que mais tarde, o projeto se espalhou para todas as 40 lojas da empresa.

A Bic Camera é uma das maiores lojas de eletrônicos, cosméticos e duty-free do Japão. Em 2017, o lucro do varejista foi de 790 bilhões de ienes (US$7,2 bilhões).

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment