Autoridades sul-coreanas detiveram quatro representantes de duas corretoras locais em Seul por suspeita de apropriação ilegal de "bilhões de won",

Autoridades sul-coreanas detiveram quatro representantes de duas corretoras locais em Seul por suspeita de apropriação ilegal de bilhões de won, assim como informa a Reuters.

Um dos detidos é Kim Ik-hwan, CEO da corretora CoinNest, a quinta maior em volume de transações no país. Informações sobre os demais suspeitos ainda não foram divulgadas.

“Eles [os suspeitos] estão sendo questionados sobre o desvio de bilhões de won que estavam retirando das contas de usuários para as contas deles”, resumiu um dos policiais à Reuters.  

Além disso, segundo ele, as autoridades do país planejam estudar as atividades de outras corretoras criptomonetárias sul-coreanas, onde tais abusos são possíveis.

Como observado pelo CryptoNinjas, agências de aplicação da lei da Coréia do Sul estudaram detalhadamente as informações sobre transações e relatórios de várias corretoras durante 20 dias. Consequentemente, várias violações foram descobertas e uma decisão foi tomada para iniciar ações investigativas contra vários representantes de plataformas de negociação.

Vale notar que recentemente, a regulamentação da indústria criptomonetária tornou-se muito mais rígida na Coréia do Sul. Assim, em fevereiro, autoridades deste país começaram a discutir a possibilidade de introduzir o licenciamento compulsório para corretoras de criptomoedas – que seria semelhante ao BitLicense. Pouco antes, o governo obrigou plataformas de negociação a transferir informações sobre clientes aos bancos e, ontem mesmo, a Comissão de Comércio Justo da República da Coréia ordenou que 12 corretoras locais renegociassem seus contratos com clientes.

Vale ressaltar que em março, aplicadores sul-coreanos da lei começaram a investigação de três corretoras locais de criptomoedas, durante a qual discos rígidos, telefones celulares e documentos foram retirados dos escritórios das empresas.