Congestionamento na rede Ethereum causa suspensão de retirada da moeda por parte de algumas corretoras

Os desenvolvedores do Ethereum divulgaram as características técnicas da primeira fase da próxima atualização, o Finality Gadget Casper (FFG Casper), que permitirá que a rede mude para o mecanismo híbrido de consenso Proof-of-Work (PoW)/Proof-of-Stake (PoS).

Publicado em 19 de Janeiro de 2018 por

As corretoras Bitstamp e KuCoin suspenderam temporariamente retiradas em Ethereum devido ao congestionamento e instabilidade da rede. A segunda recomendou que os usuários utilizem NEO em vez de Ethereum para que possam ter “acesso permanente aos fundos”. Isso foi relatado pelo Bitcoin.com.

Nos últimos meses, a rede Ethereum enfrentou um aumento acentuado na atividade dos usuários. De acordo com o site etherscan.io, ainda em outubro de 2017, o número de transações na rede não excedeu 519 mil por dia, sendo que em janeiro de 2018, esse indicador já ultrapassava 1,34 milhão.

Um dos motivos pelos quais a instabilidade da rede cresceu significativamente foi o lançamento do jogo CryptoKitties, que gerou muito interesse por parte dos usuários. Consequentemente, as taxas de transferência também aumentaram de forma relevante, causando a suspensão de muitas transações por vários dias.

A Bitstamp suspendeu a retirada de Ethereum por algumas horas, mas logo notificou os usuários sobre a resolução bem-sucedida do problema.

Representantes da corretora KuCoin também informaram sobre o congestionamento da rede Ethereum e possíveis atrasos na retirada de ETH, recomendando aos usuários que utilizassem a criptomoeda NEO, também conhecida como “Ethereum chinês”, como alternativa. Por fim, usuários da plataforma foram avisados sobre os altos riscos de negociação na atual situação com a volatilidade no mercado de criptomoedas.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment