Corretoras coreanas não atendem a requisitos dos reguladores

Para desenvolver tecnologias de Blockchain, as autoridades financeiras da Coréia do Sul estão preparando um plano para a legalização das Ofertas Iniciais de Moedas (ICO), que se tornarão novamente um alvo para investimentos por parte de investidores locais.

Publicado em 22 de agosto de 2018 por

Os resultados de uma inspeção realizada em junho nas corretoras criptomonetárias da Coréia do Sul mostraram que metade deles não atende aos requisitos dos órgãos reguladores. Isso foi relatado pela CoinGeek.

A auditoria foi realizada pela Agência de Segurança da Internet e pelo Ministério da Ciência e Tecnologia em resposta a reclamações sobre atividades inaceitáveis em corretoras locais.

Uma lista de 85 requisitos que devem ser cumpridos pelas corretoras do país foi elaborada no início do ano, mas a auditoria de verão concentrou-se em 17 pontos que exigem correção imediata, 11 regras para gerenciar carteiras e 6 requisitos menos importantes.

Entre esses 17 itens mais importantes, estavam questões como a separação do pessoal administrativo e de segurança de outros colegas, o sistema de senhas, controle de depósitos e retiradas de criptomoedas, bem como sistemas de detecção de ações atípicas na carteira.

Descobriu-se que das 21 plataformas comerciais coreanas, 11 correspondem aos requisitos mais importantes. Além disso, oito corretoras (Bithumb, Korbit, Upbit, Coinnest, Coinlink, Coinplug, Coinone e Huobi Korea) corrigiram seus sistemas de gerenciamento de carteiras.

“Na maioria dos sistemas de gerenciamento de carteiras criptomonetárias, boa parte das vulnerabilidades não foi corrigida”, disseram especialistas da Agência de Segurança da Internet da Coréia.

Também foi relatado que 12 corretoras prestam atenção insuficiente aos procedimentos para evitar vazamentos de dados e perda de dinheiro de seus repositórios “frios”. 10 plataformas não têm sistemas adequados para detectar a atividade suspeita de carteiras on-line. Outras 10 corretoras não desenvolveram um procedimento para fazer backup e restaurar as carteiras.

“Devido à fraca segurança das corretoras de moedas virtuais, os usuários precisam ser cautelosos ao investir. Continuaremos verificando as plataformas para garantir uma maior segurança”, alertou um porta-voz do Ministério da Informação e Comunicações.

A próxima inspeção das corretoras coreanas pelos órgãos reguladores será realizada em setembro. Se novas plataformas forem registradas no país antes desta data, elas também terão que passar por uma inspeção, assim como salientaram as autoridades.

Lembramos que, após o hacking às plataformas Coinrail e Bithumb, o governo sul-coreano anunciou um enrijecimento na regulação das corretoras criptomonetárias e a aceleração da introdução do quadro regulatório para a indústria.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment