A Comissão de Valores Mobiliários (ISA) afirmou que, devido à alta volatilidade e riscos aos investidores, excluiria temporariamente empresas públicas que atualmente investem em ativos criptográficos e mineração dos índices da Bolsa de Valores de Tel Aviv.

O Banco Central e o Ministério das Finanças de Israel não desistiram da ideia de criar uma criptomoeda nacional. Isso foi relatado pela Bitcoinist.

As autoridades israelenses anunciaram pela primeira vez seus planos de criar uma criptomoeda ligada ao shekel ainda em dezembro.

De acordo com o Ministério das Finanças, o Cryptoshekel reduzirá transações “sombrias” no mercado negro, o que representa cerca de 22% do PIB do país.

No momento, os legisladores de Israel estão trabalhando em uma estratégia para combater a lavagem de receitas ilegalmente obtidas através de moedas digitais. Espera-se que a lei referente à regulamentação das criptomoedas entre em vigor em outubro.

Note que, em fevereiro, a Suprema Corte de Israel proibiu o Leumi Bank de bloquear as atividades das contas da corretora Bits of Gold. Este passo pode ser tomado como uma predisposição das autoridades de Israel de adequar a regulamentação do mercado criptomonetário.

Um sério obstáculo ao desenvolvimento da indústria, no entanto, são as excepcionalmente altas taxas: atualmente, em Israel, moedas virtuais estão sujeitas a um imposto sobre lucros corporativos de 46% e 25% sobre individuais.

Adicionalmente, os bancos líderes do país estão assinando acordos de parceria com gigantes tecnológicos para se introduzir na esfera criptográfica e de Blockchain.

No último ano, por exemplo, a instituição Israel Bank Hapoalim e a Microsoft deram início ao desenvolvimento de uma plataforma de Blockchain para gerenciamento de garantias bancárias digitais.