Especialistas preveem rápido crescimento em preço de token Gram

O Telegram criou o primeiro serviço para a plataforma TON (Telegram Open Network) para armazenamento de dados pessoais, o denominado Telegram Passport. Clientes poderão fazer upload de documentos, dados do passaporte e detalhes para pagar com criptomoedas.

Publicado em 12 de novembro de 2018 por

A plataforma Telegram Open Network (TON), criada por Pavel Durov, é capaz de competir com grandes empresas que operam no campo de armazenamento em nuvem, serviços de DNS e anonimizadores. Até 2026, em cada uma dessas áreas, a plataforma pode ocupar até 10% do mercado global. Isto foi evidenciado pelos dados do relatório da empresa de investimentos Hash CIB, publicados pelo Kommersant.

Com base em pesquisas de outras empresas, dados da Securities and Exchange Commission dos EUA e em sua própria metodologia, analistas da Hash CIB calcularam que o volume de operações de armazenamento de informações do serviço TON Storage até 2026 poderia atingir 17,1 bilhões de dólares por ano.

Além disso, o relatório calculou o valor justo do token Gram e o mesmo ficou em US$5,9, que é 4,4 vezes maior do que o preço de US$1,33 definido na segunda etapa de sua ICO.

Adicionalmente, os especialistas alertam que sua avaliação pode não refletir o custo real da criptomoeda, já que é improvável que o mercado avalie a moeda Gram racionalmente – e vários fatores de risco para o projeto podem ser nivelados no futuro.

Ao mesmo tempo, vários outros especialistas veem essa avaliação com um pouco de ceticismo: Artyom Inyutin, cofundador da TMT Investments, por exemplo, acredita que o TON não será capaz de ocupar 10% dos mercados de DNS e armazenamento de dados devido aos “unicórnios de Blockchain”.

“O projeto acha importante ser ambicioso. A plataforma TON montou uma equipe única, mas não vai conseguir superar empresas com uma capitalização de mais de US$1 bilhão”, acredita ele.

De acordo com Alexander Chachava, sócio-gerente da Leta Capital, qualquer messenger instantâneo popular, principalmente WeChat e Facebook, bem como projetos de Blockchain que possam resolver rapidamente os problemas de escalabilidade e compatibilidade podem se tornar competidores da plataforma.

As perspectivas do projeto no mercado de VPN também levantam dúvidas entre os especialistas.

“Pelo que eu sei, o conceito de trabalho do serviço de proxy nunca foi apresentado. É difícil prever o valor de uma coisa que ainda não pode ser avaliada”, explicou Benjamin Van Pelt, CEO da TorGuard.

A vantagem óbvia da plataforma é a extensa base de usuários, que em março de 2018 atingiu 200 milhões de pessoas. Segundo os analistas, os mercados na Europa Ocidental, nos EUA e na Ásia, que são os mais desejados pelo projeto TON, ainda estão mal cobertos.

“Outro problema para o projeto de Pavel Durov poderia ser a dependência de centros de dados localizados na Europa e nos EUA , bem como investimentos coletados em dólares que podem ser congelados”, sugeriu Anton Rosenberg, ex-diretor de áreas específicas de uma das estruturas do Telegram.

Ele fez a principal aposta na criptomoeda Gram, que, em sua opinião, é capaz de fazer concorrência ao Ethereum, mas apenas no caso de uma implementação de uma Blockchain “rápida, estável e segura”.

Lembramos que a Telegram Open Network (TON) deve se tornar uma “Blockchain de terceira geração” seguindo as Blockchain do Bitcoin e do Ethereum, mas adicionando novos recursos de outro nível. Os tokens Gram serão utilizados para pagamentos internos de usuários.

Em 2018, durante duas rodadas de uma ICO fechada, a TON levantou US$1,7 bilhão de 175 investidores.

Os testes da plataforma de Blockchain Telegram Open Network (TON) estão programados para o final do outono.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment