EUA: um dos fundadores da Payza foi preso, o segundo está foragido

O Departamento de Justiça dos EUA apresentou acusações de fornecer serviços não licenciados contra o operador de pagamento Payza e seus fundadores – os irmãos Ferkhan e Firoz Patel. De acordo com os aplicadores da lei, com a ajuda da empresa, várias pirâmides financeiras e sites de pornografia infantil arrecadaram pelo menos US$250 milhões.

Publicado em 22 de Março de 2018 por

O Departamento de Justiça dos EUA apresentou acusações de fornecer serviços não licenciados contra o operador de pagamento Payza e seus fundadores – os irmãos Ferkhan e Firoz Patel. De acordo com os aplicadores da lei, com a ajuda da empresa, várias pirâmides financeiras e sites de pornografia infantil arrecadaram pelo menos US$250 milhões.

Note que Ferhan Patel foi preso em Detroit, enquanto seu irmão Fyroz está atualmente na lista de procurados. Eles foram acusados ​​várias vezes de: “conspiração para organizar uma empresa de pagamento não licenciada e conspiração para lavar dinheiro e administrar um negócio de transferência de dinheiro sem licença no Distrito de Columbia”.

Publicidade

Publicidade

Vale ressaltar que, embora os documentos do governo não mencionem criptomoedas, a Payza vem trabalhando nesse campo desde 2014, oferecendo aos clientes serviços de venda e compra de Bitcoin. Posteriormente, a empresa expandiu a lista de moedas suportadas – no ano passado, o sistema de pagamento anunciou a adição de diversas altcoins, incluindo Ethereum, Ripple, Litecoin, Monero e Zcash.

Além disso, no final de fevereiro, a empresa expandiu novamente sua lista, adicionando à ela Expanse, Steem, Viberate, USD Tether e outras altcoins. No início de março, o suporte ao Dash também apareceu.

Como afirmado no site do Departamento de Justiça, os irmãos Patel “administravam uma empresa de transferência de dinheiro que operava sem as licenças estaduais necessárias e transferia deliberadamente os fundos recebidos por meio de atividades ilegais”.

Publicidade

Publicidade

“Os réus estavam cientes de que, com a ajuda da Payza, clientes transferiram fundos recebidos ilegalmente. A transferência desses fundos contribuiu para a continuação do funcionamento de esquemas criminosos”, diz o documento.

De acordo com policiais, um total de mais de US$250 milhões foi liberado através da Payza ao longo de seis anos.

Os documentos também mencionam duas outras empresas, a AlertPay e a EgoPay, que supostamente são de propriedade e operadas pelos irmãos Patel. A EgoPay congelou os fundos dos clientes no início de 2015 e, posteriormente, anunciou que foi vítima de um ataque de hackers. O serviço foi fechado no mesmo ano, assim como informa o Departamento de Justiça.

Chrys

Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment