NEM nega tentativa de retirada de moedas roubadas da Coincheck

Os hackers que roubaram 500 milhões de tokens NEM (XEM) da corretora japonesa Coincheck no final de janeiro, podem, no momento, já ter lavado a maior parte dos fundos. Isto foi relatado pela Nikkei com referência aos dados de pesquisa da empresa L Plus, baseada em Tóquio e especializada em segurança cibernética.

Publicado em 2 de Fevereiro de 2018 por

Cerca de 500 milhões de tokens XEM (US$533 milhões), roubados das contas da Coincheck, não foram transferidos para outros sites. Além disso, os hackers ainda não tentaram vender as moedas, isso de acordo com o blog da NEM Foundation.

“Estamos monitorando de perto os fundos roubados. Pequenos montantes (de menos de US$100) foram transferidos a uma série de contas. O sistema automatizado marca e rastreia os tokens transferidos. Os fundos marcados não foram retirados para corretoras. Enquanto eles não chegarem a plataformas de negociação, serão muito difíceis de retirar, especialmente em grandes quantidades”, afirma o comunicado.

Lembramos que mais cedo, a agência Reuters informou que os hackers que atacaram a Coincheck tentaram mover os fundos roubados.

Publicidade

“Eles estão tentando distribuir fundos entre corretoras. No momento, estamos em contato com essas plataformas”, alegou o vice-presidente da NEM Foundation, Jeff MacDonald.

Em uma carta à Coindesk, Paul Rieger, representante da subsidiária europeia da NEM Foundation, também confirmou que não havia fatos atestando a tentativa de venda das criptomoeda.

“11 transações foram realizadas em relação a 100 XEM de uma das contas de um hacker para contas “aleatórias”. Nada foi vendido. Nem houve tentativas de transferência para corretoras”, disse Rieger.

Lembraos que no dia 25 de janeiro, a corretora de Bitcoin, Coincheck, confirmou o roubo de mais de meio bilhão de dólares em NEM. Mais tarde, o site prometeu pagar prometeu pagar US$400 milhões aos clientes afetados. Além disso, a agência de serviços financeiros do Japão começará a verificar o resto das corretoras de Bitcoin do país depois do hackeamento à plataforma Coincheck.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment