O chefe da maior corretora criptomonetária Binance, Changpeng Zhao, disse que no início do próximo ano sua empresa apresentará uma versão beta pública de uma plataforma descentralizada de negociação. 

Changpeng Zhao, o CEO da Binance, resumiu o ano e compartilhou suas expectativas para o próximo ano, dizendo estar muito otimista em relação ao futuro desenvolvimento do setor criptomonetário.

Começando a pensar nas razões da tremenda queda do mercado em 2018, Zhao considera necessário, antes de tudo, recordar as alturas históricas que o Bitcoin e o restante das criptomoedas alcançaram em dezembro de 2017 – segundo ele, a correção deveria ter ocorrido mais cedo ou mais tarde.

Entre outros fatores que tiveram um impacto negativo no mercado, Zhao cita a falta de resultados esperados de muitos projetos de ICOs, hackers atingindo as principais corretoras, incerteza regulatória e oposição de campos concorrentes, o que levou a “forks estúpidos”.

“Eu acredito que com a liberdade, há sempre um pouco de caos”, escreveu Zhao.

Apesar de tudo isso, a Binance seguiu sua própria estratégia, garantindo seu sucesso.

“Em meio a todo esse caos, a Binance permaneceu fiel aos seus valores centrais. Temos trabalhado incansavelmente para tornar o dinheiro mais livre globalmente, sem sacrificar a segurança e a facilidade de uso. Fizemos tudo para proteger nossos usuários e nossa comunidade e nos concentramos nos dois métodos mais conhecidos: o BUIDL e a disseminação [das criptomoedas]”, expressou Zhao.

Como parte deste conceito, o BUIDL, em 2018, implementou vários projetos importantes: em particular, foram lançados intercâmbios para apoiar fiat em Uganda e Jersey, a empresa também recebeu licenças para lançar plataformas em diversas jurisdições e pretende implementar esses planos em 2019.

Além disso, a Binance está criando sua própria cadeia de Blockchain, que será a base da nova corretora descentralizada. Sua versão de teste, segundo Zhao, já foi implantada e distribuída para parceiros, uma rede pública de testes estará disponível em janeiro de 2019 e o lançamento da rede principal ocorrerá em poucos meses.

Adicionalmente, foi lançado o fundo de investimentos Binance Labs, que já investiu em 23 projetos, e atuou como organizador de vários programas de incubadora e hackathon. De acordo com Zhao, através da Binance Labs, a empresa ajuda empreendedores a realizar plenamente o potencial da tecnologia de Blockchain e apoia futuras mudanças na indústria.

Outro projeto que lançado este ano foi a Binance Academy, um portal educacional gratuito que hoje abriga mais de 540 artigos e mais de 40 vídeos em 15 idiomas.

A Binance Research também foi estabelecida como uma unidade de pesquisa para a compilação de relatórios analíticos corporativos gratuitos no campo das criptomoedas, e foi lançado o projeto de caridade Binance Charity, que colabora com vários países e organizações, inclusive a ONU.

A prioridade separada, diz Changpeng Zhao, é dar à Binance um armazenamento seguro de ativos digitais. Em particular, um fundo especial foi lançado para fornecer seguro para os usuários em caso de perda inesperada de fundos, sedo que além disso, a empresa oferece uma recompensa de US$10 milhões para quem conseguir hackear as carteiras da plataforma. Em 2018.

Zhao se concentrou na Binance Coin (BNB), sua própria moeda nativa, que segundo ele, se tornou uma moeda verdadeiramente universal – o BNB é usado não apenas para negociação, mas tornou-se um meio de pagamento de vários serviços.

Falando sobre o futuro da indústria, o chefe da Binance é definitivamente positivo e vê ótimas oportunidades.

“Eu não tenho uma bola de cristal, mas, olhando para o futuro, eu sei com certeza que a Blockchain não vai a lugar algum, as criptomoedas não vão a lugar algum, e a Binance não vai a lugar algum. E nossa indústria se tornará ainda mais forte”, concluiu.