Nightmare on Ethereum Street: por que o “computador do mundo” está febril

Uma empresa privada de Hong Kong com base em commodities internacionais e ativos digitais anunciou apoio para negociação Ethereum em sua mesa OTC (Over The Counter) para negócios a granel da ETH, a empresa já trabalha com Bitcoin e Dash.

Publicado em 15 de outubro de 2018 por

No final do ano passado, quando a euforia no mercado criptomonetário atingiu seu apogeu, muitos especialistas da indústria, incluindo os respeitados, profetizaram o primeiro lugar do Ethereum na CoinMarketCap e o fim da dominação do Bitcoin.

Desenvolvedores e empreendedores lançaram mais e mais projetos de ICOs, que cada vez mais reuniam fundos, criando uma alta demanda por Ethereum.

Parece que uma maneira radicalmente nova de atrair investimentos foi criada – uma alternativa viável e mais rápida ao financiamento de risco. Em seguida, os comerciantes entusiastas e os participantes do mercado preferiram fechar os olhos até mesmo ao crescente número de esquemas fraudulentos no ecossistema Ethereum.

No entanto, com o início de 2018, se iniciou a rápida correção do mercado de criptomoedas, que no momento, atingiu oficialmente a escala da bolha das dotcom. Apesar do fato de coisas semelhantes terem acontecido no passado, a ruptura da nova bolha tornou-se o foco da grande mídia, que, aparentemente, continuará a “saborear” as novas viradas do outono.

Mesmo nesse contexto, não se pode esquecer da existência da seguinte regra: a subsidência de altoquina, como o seu crescimento, é quase sempre mais forte em comparação aos indicadores de Bitcoin. Mas dificilmente os mais ardentes maximalistas e céticos esperavam que o Ethereum demonstrasse um pico tão íngreme, ignorando todos os níveis de apoio extraídos pelos analistas técnicos.

Tentamos descobrir por que o “computador global” falhou, e se a queda de preço poderia ser chamada de falha… Sim, os investidores e as mineradoras sofreram, mas a rede ainda está em pé, processando transações e contratos inteligentes.

Se o colapso descontrolado não for domando, no entanto, essa situação poderia ameaçar o Ethereum com a perda de uma significativa parte da comunidade e, provavelmente, a migração de mineradores para ativos mais lucrativos.

A hora do acerto de contas para a ICO

Já em retrospectiva, torna-se óbvio que a maioria dos projetos de ICO estavam condenados ao fracasso por várias razões: de má gestão e/ou incompetência da equipe de desenvolvimento à falta de demanda pelo produto proposto.

Agora que a euforia adormeceu, e o dinheiro não está mais saindo do céu, muitos investidores desafortunados estão começando a entender o que investiram, e ficam surpresos ao descobrir que muitos projetos nem precisavam de um token interno.

A comunidade está brincando ativamente com a multiplicação de processos coletivos contra desenvolvedores e startups de grande sucesso – a maioria dos investidores os acusa de vender valores mobiliários não registrados, o que é um crime extremamente grave.

Em 2017, este problema não incomodou ninguém, já que quase todos os dias, um ativo diferente mostrava mostrou invejáveis Xs. Os investidores cumpridores da lei não se incomodaram em nada em vender títulos não registrados.

Muito provavelmente, muitos “contribuintes” azarados nem sequer se deram ao trabalho de ler os WhitePapers dos projetos, simplesmente distribuindo fundos em partes iguais ou em alguma relação específica entre diferentes ICOs, sem realmente entender ou prestar atenção à diferença entre tokens de utilidade e ações.

No entanto, muitas coisas realmente esclarecem apenas em retrospecto. É justo culpar as pessoas por querer dinheiro rápido? Esta é uma questão filosófica que pode ser discutida por horas. A verdade é que, em 2017, o mundo foi abalado pela febre das criptomoedas – que, inclusive, às vezes surpreendia o bom senso e impulsionava ações mal-intencionadas em busca do novo ouro.

Já em 2018, algumas startups conseguiram captar ainda mais fundos por meio de ICOs, apesar da correção. Contudo, a mudança tectônica para a venda de contratos SAFT e trabalhos exclusivamente com investidores credenciados foi bastante distinta.

O possível confronto com a SEC por parte de todos os emissores de utilidade pública assustou o mercado, e o próprio conceito, envolvendo a mais rápida coleta de fundos sem quaisquer barreiras burocráticas e a necessidade de registrar fichas onde quer que estivesse, estava em risco.

Em algum momento, tornou-se óbvio que muitos projetos baseados em tokens de utilidade foram construídos como pirâmides. Mas… Por que os tokens de utilidade são semelhantes a pirâmide e os tokens de ações se tornaram populares?

Muitos estão convencidos de que a maior decepção para os investidores será o fato de que a arquitetura de projetos com tokens de utilidade não pode ser fundamentalmente útil na resolução de tarefas inicialmente estabelecidas.

O que originalmente foi a causa do impressionante aumento no preço do ETH, de repente se voltou contra a plataforma. O sucesso da ICO transformou o Ethereum em um verdadeiro império da criptomoeda, cuja queda é difícil de imaginar. Agora, a plataforma paga pelos pecados das startups fracassadas.

Cerco na mídia

Outro alarme para o “computador do mundo” foi a declaração do ex-chefe da Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities (CFTC), Gary Gensler, de que os tokens Ethereum e Ripple podem ser reconhecidos como valores mobiliários.

A notícia difundida pela grande mídia tornou-se um dos principais temas de discussão na comunidade criptográfica. A ameaça pairava não apenas sobre os tokens Ethereum, mas também sobre a própria moeda, o que agravou a situação.

Ferozes debates na vastidão do Twitter duraram quase dois meses, e o segundo em capitalização estava em uma espécie de estado suspenso – vale ressaltar que não só a mídia de perfil escreveu sobre isso, mas também o Wall Street Journal, o New York Times e outros. Os investidores estavam extremamente preocupados com a situação atual.

Em julho, o status do Ethereum finalmente foi esclarecido e a SEC recusou-se a classificar o ativo como título, mas alguns danos à reputação provavelmente foram infligidos.

Adicionalmente, o presidente do Chicago Option Exchange (CBOE), Chris Concannon, aparentemente decidiu inspirar os investidores, dizendo que não há barreiras aos futuros do Ethereum. Logo, a mídia relatou informações privilegiadas sobre os planos para sua adição até o final deste ano.

Parece que o fervor emergente rapidamente resfriou o cofundador da Fundstrat Global Advisors, Tom Lee, que salientou que o lançamento de futuros só reduzirá as cotações do ETH.

Apesar do fato de que as previsões infundadas de Lee não se realizam com muita frequência, a grande mídia está feliz em replicar todas as suas declarações, o que, aos olhos de muitos investidores não sofisticados, faz dele um tipo de guru.

O Ethereum recebeu um golpe de outro proeminente representante da comunidade criptográfica: Arthur Hayes, o chefe da BitMEX, chamou o ativo de “shitcoin”. Além disso, ele afirmou que o preço do ETH cairia abaixo de US$100, uma vez que os investidores de ICO começaram a vender aleatoriamente tokens comprados a qualquer preço.

A venda em massa de centenas de tokens diferentes, criados para propósitos pouco claros, não foi o principal problema para as cotações do Ethereum. Os projetos da ICO começaram a vender enormes quantidades de moedas ETH coletadas anteriormente e, provavelmente, migraram para o fiat. Assim, em julho e na primeira quinzena de agosto, eles poderiam vender até 100 mil ETH, e no segundo semestre e setembro, 300 mil ETH. Três vezes mais!

“De acordo com minha pesquisa muito superficial sobre multisigs de projetos de ICO, poucos deles traduzem Ethereum mais rápido do que antes da queda acentuada. Eu não associaria a redução de preço à ” enormes vendas de lotes”, expressou Andrei Sobol, cofundador da Pandora Boxchain.

Talvez um dos ataques mais bem fundamentados à Ethereum tenha sido o artigo do desenvolvedor do Bitcoin Core, Jeremy Rubin, publicado no TechCrunch sob o título: “O colapso da ETH é inevitável”. Até mesmo Buterin foi forçado a responder.

Vale ressaltar que o criador do Ethereum concordou parcialmente com a posição do adversário, mas disse que os desenvolvedores do projeto estão trabalhando ativamente na solução do chamado problema de “abstração econômica”.

Ele propôs duas maneiras: cobrar dos iniciadores dos blocos uma taxa mínima na ETH e pagar pelo ETH para cada byte de dados na rede. Ambos os métodos assumem a queima de moedas.

A discussão mudou para os espaços abertos do Twitter, onde Rubin concordou que “transações com invólucros” podem ser eficazes no combate à “abstração econômica” da perspectiva do usuário final. A comissão mínima e taxa para armazenar dados na ETH podem afetar com segurança as cotações do ativo.

No entanto, o desenvolvedor do Bitcoin Core criticou a implementação de comissões de transação obrigatórias na rede do ETH, já que isso, em sua opinião, as tornará muito altas e prejudicará os usuários da rede.

Se os mineradores são obrigados a manter grandes volumes de ETH, isso poderia prejudicar a descentralização da produção.

Com a transição para a combustão de Proof-of-Stake (PoS), ele acredita, também levará à centralização dos stakes.

Não é de surpreender que, contra uma pressão tão colossal sobre o ativo, o volume de posições curtas tenha alcançado máximos absolutos. Não se pode culpar os comerciantes por não perder oportunidades de ganhar.

Acusações de centralização

Alguns membros da comunidade afirmam que nada caracteriza a natureza descentralizada da Blockchain do Ethereum como a decisão de 14 desenvolvedores de protocolo de reduzir a recompensa de mineração de 3 ETH a 2 ETH dentro da estrutura do hotspot de Constantinople. A única influência de Vitalik Buterin e as credenciais dos desenvolvedores da plataforma têm sido objeto de críticas não razoáveis, especialmente por parte dos defensores do Bitcoin.

Mais frequentemente do que não, isso diz respeito ao hardfork, que os desenvolvedores tentaram impor várias vezes à comunidade [por exemplo, o The DAO] a fim de descongelar milhões de dólares congelados em contratos inteligentes, acertar o relógio e atualizações que afetam os interesses dos mineiros, que são certamente um dos elementos mais importantes da comunidade de criptomoedas.

“O ETH perdeu todas as conquistas em um par com Bitcoin. Hoje, o Ethereum é inflado e centralizado, e outros planos para escalar a plataforma não causam muita confiança. Enquanto isso, o Bitcoin está tão saudável e forte como sempre, e está sendo expandido ‘entre as decisões e os investidores institucionais’”, disse o fundador e economista da Adamant Capital, Tour Demester.

A decisão de implementar o EIP-1234 durante uma videoconferência, na qual nem os mineradores que colidiram com dispositivos ASIC no algoritmo Ethash, nem os investidores, já causaram desacordo e insatisfação em alguns membros da comunidade.

“A “bomba de complexidade” foi novamente adiada: isso significa que o PoS não será implementado em um futuro próximo. Mesmo os desenvolvedores do Casper não sabem quando isso vai acontecer”, afirmou Andrei Sobol.

Apesar do fato de cerca de 17 mil nós Ethereum estarem localizados em seis continentes, o que representa a descentralização total da rede, a falsa morte de Buterin no ano passado afetou seriamente o preço da moeda. Nesse sentido, quer Buterin queira ou não, tudo o que ele faz ou não faz é refletido no curso do ETH.

“Eu costumava pensar que o único ponto do fracasso do Ethereum é Vitalik Buterin. Eu mudei de ideia, porque a infraestrutura da rede em si é outro significativo ponto de falha, o que aumenta a centralização”, observou WhalePanda, insinuando o alto custo de manter os nós completos na segunda maior rede criptográfica por usuários comuns.

No entanto, ele não acredita que o império das criptomoedas colapsará em breve, já que há muito dinheiro para o Ethereum, que o ativo é suportado por todas as grandes corretoras de liquidez e que os desenvolvedores estão trabalhando ativamente.

“O ETH não vai para zero. A bomba ainda estará lá. Será que vai atingir um novo máximo absoluto emparelhado com BTC? É improvável. Juntamente com o dólar? Aqui tudo depende do Bitcoin em si”, salientou WhalePanda.

Com esta relativamente positiva avaliação, o especialista em computação distribuída e paralela e inteligência artificial, Viktor Sovetov, cuja visão do futuro Ethereum é muito menos iridescente, concluiu:

“Ethereum é uma solução provisória sem um futuro brilhante e definitivo. A demanda forneceu os projetos de ICOs, mas já está no passado. À frente da plataforma, na minha opinião, uma morte longa e dolorosa”.

Sovetov acrescentou que, a longo prazo, a indústria não sofrerá com o desaparecimento do “computador mundial”, e que as “fantasias” dos desenvolvedores um dia levarão à criação de uma plataforma completa para resolução de problemas de negócios no mundo real.

O perigo real para a Ethereum Foundation, são concorrentes como RSK, Cardano, Tezos e outros, que no futuro, podem desenvolver soluções mais convenientes e escaláveis ​​para contratos inteligentes completos de Turing.

Um olhar para o futuro

A transição do Ethereum para o algoritmo de Proof-of-Stake se transformou em uma espécie de drama em várias partes, no qual os lançamentos de atualizações são constantemente adiados, e os termos são esticados.

Neste ano, Buterin sugeriu que a ativação simultânea do protocolo Casper FFG e a tecnologia de sombreamento é possível. E pontuou que o Casper ainda será o primeiro na linha.

No entanto, não se pode negar que os desenvolvedores estão trabalhando ativamente no protocolo, tentando diariamente trazer a transição para o PoS, o que, se bem-sucedido, certamente se tornará um evento lendário e um novo marco no desenvolvimento da indústria.

Então, Vlad Zamfir já apresentou uma prova do conceito de sombreamento com elementos fundamentais prontos. Em um futuro próximo, a testnet lançará a atualização Constantinople e a máquina virtual eWASM, baseada no padrão WebAssembly.

Tudo isso perderá algum sentido se o Ethereum não puder oferecer soluções para problemas do mundo real. Em condições de pressão interna e externa, bem como do rápido desenvolvimento dos concorrentes, a crise atual para a plataforma pode se tornar existencial.

Os desenvolvedores precisam repensar o lugar do Ethereum no mundo da Blockchain para oferecer novas funcionalidades, e talvez, então, a crença no “computador do mundo” volte novamente.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment